http://2.bp.blogspot.com/-afPmaBzw6sY/VmXWX4XxqwI/AAAAAAAAL4Q/p2w-otiOQ8M/s1600/37.jpg

Ela semicerrou os olhos fitando para o horizonte, a vista dali era bonita, pacifica e se contrapunha ao estado de espírito em que se encontrara antes de entrar no carro e dirigir até ali. A viagem de poucos minutos e aquelas pequenas luzes brilhando contra a noite que começavam a cair até tinham lhe acalmado nos primeiros minutos. Mas agora ela olhava a mensagem do telefone e se perguntava onde, diabos, William estava.
Eles haviam passado a semana sem se falar, tanto pela correria quanto pelo humor inconstante que ambos compartilhavam. Isso a incomodava, o que era irônico já que tinha dias reclusos também, porém quando ele entrava na sala e mal lhe dava um boa-noite ela tinha vontade de acertar uma cadeira nele. Todavia não se dava ao trabalho, orgulhosa que era, tentava não demonstrar emoções. Não eram melhores amigos, longe disso, só que ainda assim, ela estranhava a falta de comunicação. Não dava para entender, nem ela vinha se entendendo muito bem.
De qualquer forma, ao final daquela tarde a mensagem pedindo para que ela o encontrasse ali a pegou de surpresa. Sem receber respostas dignas para suas perguntas ela simplesmente acabou indo.
Agora, fazia quase 20 minutos e ele não havia chegado. Resmungou uma incoerência e desencostou-se do capô pronta para entrar no pequeno carro e ir embora. Entretanto foi ai que deu de cara com o rapaz chegando ao topo da colina, meio esbaforido e derrubando a bicicleta.
Cruzou os braços defensivamente sobre os seios, não entendendo porque ele não viera no moto, mas estava emburrada demais para perguntar.
— Eu cheguei, okay? — falou ele levantando os braços como um soldado rendido. Os cabelos acobreados estavam bagunçado e ele tinha um sorriso nervoso. Olhava-a de cima, não pela arrogância que às vezes era característica de sua personalidade, e sim pelas duas dezenas de centímetros que ele tinha a mais que a garota.
— Tá, agora quer me explicar porque me chamou aqui? — replicou ela empinando o nariz.
— Oi pra você também Vivian. — Gracejou ele chegando perto da garota e a puxando pelo braço para o banco que havia na frente de onde ela tinha estacionado. A visão dali dava direto para a cidade. — É um dos meus lugares favoritos. — ele deu de ombros, fazendo-a sentar ao seu lado.
— E?
— E... — ele não tinha exatamente uma resposta. Na verdade havia digitado aquela mensagem quando acabara de ler o texto da aula, ao lembrar-se do local. Não havia pensado muito: — Achei que iria gostar daqui.
— É bonito. — um mínimo sorriso surgiu nos lábios dela. Se pensasse com lógica não havia ganhado uma resposta coerente, porém, por alguma razão, isso não lhe parecia necessário. — Obrigada.
Ele ouviu o tom calmo da garota, e se sentiu mais aliviado. Um segundo depois ela encostou a cabeça em seu ombro. William fechou os olhos, apreciando a sensação e ouvindo os barulhos de pássaros que cantavam ali por perto,  e sorriu. Poderia não ter tido um motivo para a mensagem, mas aquela cena lhe parecia uma justificativa suficiente.

    N/A: Texto provindo de um word war feito no fim de agosto com a linda da Thais. Vlw por ajudar a quebrar meu bloqueio quando precisei garota!


Deixe um comentário