Imagem by google

Um tradutor não dá à luz novos livros. Mas pode melhorá-los. Ou matá-los.

Num ofício dividido entre a criação artística e a mera reprodução fidedigna dos originais, esse coautor de romances alheios vem ganhando prestígio maior do que as notas de rodapé podem dar.

O lançamento em português do mais recente romance do japonês Haruki Murakami, "1Q84" --programado pela editora Alfaguara para o segundo trimestre de 2012-, prova que traduzir é um trabalho autoral.

"O que fazemos exige um esforço artístico, uma vez que um texto é mais do que a mera soma das palavras", diz Lica Hashimoto.

Neta de japoneses, ela começou com textos técnicos há mais de 20 anos e hoje tem em mãos um romance que, só nos EUA, vendeu 1 milhão de cópias em 30 dias e, no Brasil, tem encomendas de livrarias há mais de dez meses.

A japonesa Meiko Shimon, que verteu para o português "O Mestre de Go", último romance do Prêmio Nobel de Literatura (1968) Yasunari Kawabata a ser lançado pela Estação Liberdade neste mês, diz que fazer pontes com o idioma japonês é muitas vezes "criar e recriar, mais do que apenas traduzir".
dificuldades

O japonês impõe aos tradutores a dificuldade de trabalhar com três alfabetos diferentes, linguagem lacônica, inúmeros pronomes de tratamento e conjugações inexistentes em português.

Isso exige do tradutor algo próximo de uma coautoria, já que trechos inteiros têm de ser adaptados. "É difícil explicar peculiaridades sem perder a fluência do texto. Às vezes, nem as notas de rodapé esclarecem como é exatamente a coisa", diz Meiko.

Um exemplo da dificuldade de traduzir o japonês está em outro livro de Kawabata, "Kyoto". Nele, duas irmãs, embora gêmeas, são tratadas pelos substantivos "ani", irmã mais velha, e "imôto", irmã mais nova.

Em português, não há equivalente. Por equações como essa, Meiko diz que é comum ter um "nó na cabeça, que se prolonga por horas ou dias".

Em muitos países, os tradutores conseguem se especializar em um determinado autor ou estilo e há até mesmo prêmios literários para a categoria, mas, "no Brasil, o trabalho de tradutor não é valorizado", diz o tradutor e escritor Milton Hatoum.

Hoje, já existem originais em russo, japonês, árabe, alemão e hebraico traduzidos para o português sem escalas em versões inglesas ou francesas, como ocorria antigamente.

Mesmo assim, a maioria desses profissionais ainda vive se equilibrando em contratos incertos com as editoras, que pagam, em média, R$ 30 por página com 2.100 caracteres de tradução.

O escritor e tradutor Alexandre Barbosa de Souza, que trabalha para Companhia das Letras e Cosac Naify, diz que "em literatura, os bons tradutores costumam ser bons escritores, mas o essencial é ser um bom leitor".

"Poucos têm a oportunidade de ler melhor uma obra literária do que o tradutor."

Em 2012, Souza lançará sua obra de poemas "Livro Geral" pela Companhia, mesma editora que lançará "O Lugar Mais Sombrio", de Hatoum. Neste, a protagonista é justamente uma tradutora.

BUSCA DA ESSÊNCIA

"Uma boa tradução capta a essência do original: o ritmo, o tom e a dicção da linguagem, e também o contexto cultural e histórico da obra", descreve Hatoum.

"Não gosto de traduções literais, palavra por palavra, nem das que recorrem a artifícios exagerados, com o intuito de serem inventivas".

Para Souza, apesar de o risco de estragar as obras ser grande, há, em outros casos, a chance de melhorá-las.

"Acredito que o tradutor do Paulo Coelho seja melhor do que o Paulo Coelho original, mas nós deveríamos ser como goleiro num jogo de futebol, que, quando vai bem, é porque não se fez notar."

PERDIDOS NA TRADUÇÃO

VEJA VERÕES PARA HAICAI DE MATUSUO BASHÔ (1644-1694)

O original:

"Furuike ya
Kawazu tobikomu 
mizu no oto"

Algumas Traduções

"Velha lagoa 
o sapo salta
 o som da água"  
Paulo Leminsk

"Ah! O velho poço! 
Uma rã salta
Som da água"
Haroldo de Campos

"Sobre um velho tanque
 salta uma rã: ruido
 submergindo"
 Octavio Paz/ Olga Savry

"Silencioso Lago
o sapo salta
Tchá!"
Carlos Verçosa

"Quebrando o silêncio
do charco antigo a rã salta
n'água - ressoar fundo."
Armando Matins Janeira

SIGNIFICADO DAS PALAVRAS

FURU (de furui) → velho, antigo
IKE → lago de dimensão reduzido, natural ou artificial
KAWAZY → sapo ou rã
TOBIKOMU → lançar-se pra dentro de algo
MIZU → água
NO → particula de ligação, agui é "de"
OTO → som ruido

Extraído de:
Ilustrada  Pagida E10
Edição: Sábado, 17/12/11
Pr: JOÃO PAULO CHARLEAUX
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA


Deixe um comentário