Certa vez lendo alguns artigos na net me lembro de ter visto algo sobre o comportamento peculiar de nossas mãos. Como elas por vezes parecem ter vida própria. Tornando o controle total de seus movimentos involuntários algo completamente impossível. Por vezes nem vemos quando ficamos fazendo algum movimento com elas. Eita partezinha do corpo que gosta de ser autônoma ao resto heim!
Mas o que dizer de nossos pensamentos?
Esses conseguem ser ainda mais independentes. As vezes comparo os meus a filhos rebeldes que fogem do controle dos pais. Praticamente fazendo o que querem, como e quando preferem. Eles vagam nas horas mais inimagináveis e nos carregam com eles para lugares distantes, ou trazem lembranças e pessoas para bem perto. Nos deixando com aquele olhar de que não esta vendo nada, mas que no fundo estamos visualizando tudo, pelo menos tudo que importa naquele momento. 
Todo mundo, ao menos uma vez, já deve ter se pegado nessa situação. Olhos desfocados, mirando um ponto fixo e a fisionomia de "sonhando acordado". As vezes é inevitável, e apesar disso também é delicioso, e convenhamos, as vezes necessário, porque a vida é muito chata sem seus pequenos pauses pra sonhos e devaneios.
Atualmente parece que meus pensamentos concordam com isso. Andam me puxando constantemente pra viagens inesperadas. Se assemelhando a sonhos, doces e agradáveis sonhos...

Por: Priscila M. Santos


Deixe um comentário